segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Amor

A pessoa que eu mais amo nessa vida

A outra eu não mostro.

Um beijo na bunda das minhas belas perdidas.

Do fundo do meu coração. E pra minha melhor companheira, vc sabe quem é...

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Machismo

Puta que pariu, sempre fui feminista, tratando as mulheres bem, mas só tomei porrada com falsidade e outras coisas mais.
.
TEM QUE SER É MACHISTA MESMO VIU, PUTA MERDA BANDO DE DOIDAS (MAS GOSTOSAS)
Vem ni mim putinhas...


terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Eita 301

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Vai com Deus amigo

A vida passa rápido, imagina eu, com 35 anos? Hoje mesmo me lembro das brincadeiras com meus primos, andando pela cidade pequena, para nós, enorme, cheia de aventuras, terrenos baldios para caçar tesouros, construções abandonadas com fantasmas, nossa Caverna de Greyskull.

Brincáva-mos de médico diferente, destruindo as ruinas de um hospital abandonado no meio de uma construção. Apesar de que alguns garotos se aventuraram com as meninas no mesmo local.

E o video-game? Jogos de computador. Impressões de 500 páginas de números!!! Mas não eram realmente números, eram músicas! Melodias eternas em pedaços de papel.

As brincadeiras mudando com o tempo. Os amores com as vizinhas... E aquela carioca heim, meu chapa?

É, eu acredito que você vai conseguir ler...

Nossas brincadeiras foram ficando mais perigosas sim, é aquela busca incessante pelo proibido, pelo que ninguém tem coragem de fazer. Mas fomos nos perdendo no meio do caminho, em um mundo que não era tão legal assim.

Mesmo assim procuramos nos reinventar, do meu lado a busca por um lugar, do seu lado, até hoje não sei.

Como diz uma moça que conheço, as memórias boas são as melhores, são as que ficam.

E são as que tenho.

Hoje tenho saudades das loucuras, das irresponsabilidades, de ser sem noção. Era bom, achar que somos imortais. Mas não somos.

E você partiu cara, espero que pra melhor, com Deus do seu lado. Eu tenho certeza disso meu caro amigo.

Que merda, que horror, que absurdo...

Não era hora...

Mas quando é hora?

Um dia ainda nos vemos.

Que tal uns cem anos ouvindo Metallica e fumando um beque, trocando ideia sobre o nada?

Adoraria...