quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Amanhecer

Ando por entre anjos e demônios, porém todos se dizem santos.
Mas não é difícil saber quem é quem, porém, não ouso me classificar.

Olho nos olhos das trevas e sorrio, com minha garrafa de whisky falsificado.
Saboto meus planos de dominar o mundo, tudo por mais um beijo venenoso.

Na procura de uma percepção mais real das coisas eu me perco.
Às vezes só. Às vezes do seu lado.

A realidade não é nada além de um ácido duvidoso.
Por isso procuro me entorpecer, pois quem sabe assim eu veja a verdade.

Afasto a todos afim de me encontrar.
Mas a cada dia me perco mais.

Eu sinto minhas energias se esgotando.
Talvez eu volte para as trevas.

Mas a escuridão é tão fraca, sem sentido.
No entanto ela também é luz.

Na morte talvez encontre a vida.
Na vida talvez eu só encontre a morte.
Afinal a luta é apenas momentânea.
Não há nada mais a perder.

Ninguém quer explicação de nada.
Ninguém quer se comprometer.

Mas das cinzas eis que surge a divindade.
E a luz volta a um novo amanhecer...

domingo, 16 de janeiro de 2011

Nas asas ao vento voando


Eu que pensei que não era possível voar.
E mesmo assim eu tentei e quase consegui.

Na tentativa eu caí e quebrei o meu pé.
Mesmo quebrado eu venci e falei com Javé.

To preocupado não tenho sapato pra festa no céu.
Meus pensamentos insanos e o mundo cruel.

Nessa cidade gigante como um gavião.
Mesmo cercado de gente tenho solidão.

Eu não tenho mais porque cantar.
Sobre um mundo impossível.

Um pensamento um instante de imaginação.
Te falo porque que eu vivo.

Pra conquistar seu coração.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Rss



O grande problema nunca foi de ideologias, de caráter, de coragem.


Começou com apenas um louco e se espalhou.


Como uma epidemia.


Mas o verdadeiro problema é um só.


A inveja.


Só que a vida é uma só e cada um vive como quiser.