domingo, 4 de abril de 2010

Bjão

Ando pelas ruas molhadas pela chuva.
O cheiro do orvalho denuncia o amanhecer.
Passei a noite em claro pensando.
Acho que foi em você.

Eu sou o fraco que sucumbi em dúvidas.
Mas também sou o forte que sabe o que sente.
Como posso me atrever a questionar.
Não consigo nem lhe falar.

Seria fácil dizer me desculpe.
Se adiantasse alguma coisa o faria.
Que adianta viver rindo à toa.
Como se tudo fosse tão fútil.

Não quero fingir que é só maravilha.
A viagem não trouxe sossego.
Por isso encho meu pulmão de ar e suspiro.
No meio da madrugada ao relento.

Passeio pela noite anterior.
Te dou um tchau e um beijo.
Como pude ter dúvidas do carinho.
Um vício dormir em teu seio.

Depois de tudo um sorriso.
Ainda estou aqui.

Pensando em você...