quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ensaio de um conto

A chuva caia cada vez mais forte.
Ele esperava pelo outro.
Haviam combinado meia noite.
Estava atrasado.

Ele olhava para a lâmina que brilhava molhada à luz da lua.
Se preparara para aquele momento.
Sabia que teria sua vingança.

Impaciente ajoelhou na lama e fechou os olhos.
Via a imagem dela na sua cabeça.
Ela e ele.
Ela agora estava morta.

Ouviu passos e se levantou.
Os dois se olharam.
Primeiro para as lâminas, depois para os olhos.

Ele foi pra cima com uma fúria nunca vista.
Até pouco tempo era visto como um homem pacato.
Mas perdera tudo, por culpa deles.
.......................................................................................................
Fôra correndo quando soube da notícia.
Ela estava com ele.
O golpe dera certo mas ele descobrira.

A carta que chegara em suas mãos por intermédio de um amigo dizia onde estavam.
Chovia muito naquela noite e foi difícil chegar no meio da lama.
Ensopado, se arrastava até o mirante.

Ele estava à sua frente ajoelhado.
Ela, estava presa à uma árvore, sentada, cheia de sangue.
Olhou para a faca dele e puxou a sua.
Ficou surpreso com tamanha fúria.
......................................................................................................

Ela ainda respirava.
Amarrada na árvore via aquele homem ajoelhado.
Parecia meditar.
A chuva caia lentamente, lavando um pouco seu rosto vermelho.
O outro apareceu.
Viu ele se virando e chegando perto. Parecia um cachorro louco.
Os dois se encontraram.
As lâminas rasgaram simultaneamente.

Ela se assustou vendo os dois mortos no chão.
O sangue jorrou de sua garganta.
Era a vez dela.

Fechou os olhos e sorriu...