quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Sem nexo


A escuridão povoa os pensamentos.
Na noite procuro um poema.

Uma poesia não precisa de flores, nem do sol, da lua.
Mas pode ter um cheiro de morte, de sexo, sem nexo.

A beleza não é estática, imóvel, fria.
Também não é quente, móvel, louca.

Posso procurá-la em águas profundas, em abismo imensos.
Muitos morreram se afogando, tentando.

Com o ar que entra pleno em meus pulmões eu canto.
Transformo a angústia em melodia.

Sou o péssimo poeta sem rima.
Que procura na vida algo belo.

E não encontra...

Nenhum comentário: