terça-feira, 16 de junho de 2009

Tiros em Columbine


Filme-documentário de Michael Moore, traça um perfil dos red-necks americanos e sua paixão por armas.

Moore percorre os Estados Unidos para tentar entender o porque dos altos índices de violência naquele país.

O título do filme em inglês é Bowling for Columbine (Jogando boliche por Columbine). O uso de armas de fogo é visto como um hobby por vários americanos, assim como o boliche.

Em suas entrevistas, as pessoas com esse hobby falam que precisam proteger suas famílias, pois o governo não o faz. São pessoas militarizadas que se acham no direito de atirar primeiro e perguntar depois.

Michael Moore explora o passado violento e racista de seu país para entender o porque de tantas armas de fogo. A partir do massacre na escola Columbine, onde jovens mataram alunos e professores, e que virou notícia mundial, ele vai atrás das causas da violência, fazendo paralelo com o passado e com outros países.

Moore descobre que no Canadá as estatísicas mostram que apesar deles terem um grande número de armas, as mortes causadas por elas são ínfimas.

Passa então ao racismo e o medo que a sociedade branca tem dos negros.

O medo é a resposta. A mídia e o governo propaga o medo como forma de contenção social, controle e massificação populacional.

O lucro dessa venda desenfreada de armas é enorme, assim como a manutenção do establishment caucasiano é consolidada através dessa política.

No filme o cantor Marlyn Mason é entrevistado, pois é sabido que os assassinos de Columbine ouviam as músicas de sua banda. Atacado por ultradireitistas e acusado de perverter os jovens, Mason diz que a política do governo é a seguinte: "Deixem todos com medo e eles irão consumir mais, e mais".

Já outro entrevistado afirma que a sociedade americana é homicida por natureza.

Após ver o filme não há como discordar de tal afirmação.